Conheça o Salto Angel, a maior cachoeira do mundo

O Salto Angel é a maior cachoeira do mundo, com 979 metros de altura. Foto: Eliane de Souza


Há um lugar onde a savana é entremeada por tepuis, as formações rochosas expostas mais antigas do planeta. Destes planaltos surgem centenas de quedas d’água que junto com a vegetação rasteira, formam paisagens únicas. Este lugar é conhecido como o Paraíso das Cachoeiras e está na América do Sul. 

O Parque Nacional Canaima, na Venezuela, reconhecido como Patrimônio Mundial desde 1994, tem 30 mil quilômetros quadrados, é o lar de comunidades indígenas Pemom e abriga também a cachoeira mais alta do mundo, o Salto Angel, com 979 metros de altura.

O Salto Angel habita o imaginário de adultos e crianças graças à animação da Disney Up Altas Aventuras. No filme, um vendedor de balões viaja para o Paraíso das Cachoeiras com balões amarrados à sua casa. 

Particularmente, chegar à cachoeira mais alta do mundo também era meu sonho de infância, daqueles que parece cada vez mais difícil de realizar quando viajar envolve muito mais do que o desejo de voar. 

A Venezuela vive crise política e social que refletiu também no número de viajantes que escolhem seus destinos. Os principais pontos de visitação na Gran Sabanna Venezuelana, como Salto Angel e Monte Roraima, recebiam entre 300 e 500 turistas diariamente. No cenário atual passaram a receber apenas cerca de 100 viajantes por mês. 

Mas, uma viagem à Venezuela é aconselhável neste momento? Claro que sim! Visite a Venezuela! Todos os atrativos naturais continuam lá, todos os profissionais de turismo estão prontos para oferecer o melhor atendimento e principalmente, há segurança e conforto para todos os que desejam conhecer as maravilhas deste país. Visite e esteja ciente de que é o tipo de viagem que necessita de planejamento e de contratação de profissionais de turismo experientes e de confiança para que a sua experiência seja incrível. 

Nos próximos parágrafos você confere os detalhes do roteiro de 5 dias que realizei a convite da Roraima Adventures, Gentileza R.P. e Comitê Gestor do Parque Nacional Canaima, denominado Circuito de Tepuis e Salto Angel:

 

Como chegar

Não há companhias aéreas brasileiras voando para o Aeroporto Internacional Simón Bolívar (Caracas) e a chegada ao país pela Capital nem é recomendada neste momento. Cheguei à Venezuela partindo de Boa Vista, em Roraima. Pela BR 174 são cerca de 200 km até Santa Elena de Uairén, o ponto de entrada oficial entre Brasil e Venezuela. 

No posto de imigração apresentei apenas documento de identidade e comprovante de vacinação contra febre amarela. Porém, o site do Consulado-Geral do Brasil na Venezuela informa que as autoridades migratórias da Venezuela passaram a exigir passaporte para a entrada de brasileiros em território venezuelano. Devido à flutuação do câmbio e inflação elevada, prefira levar dólares ao invés de trocar reais por bolívares venezuelanos.

No aeroporto de Santa Elena de Uairén embarquei em um voo fretado de 1 hora em avião turbo hélice até o aeroporto de Canaima, em território Pemom Kamarakoto, no setor ocidental do Parque Nacional de Canaima. É possível dar a primeira olhadinha para o Salto Angel logo do avião quando o tempo ajuda. Aliás, a melhor época para visitar a região é entre maio e setembro, no período de chuvas, quando as cachoeiras estão caudalosas e no auge da beleza.

 

Salto El Sapo

Muitas das belezas desse destino já se encontram logo na porta de entrada do Salto Angel, na Laguna de Canaima. As cachoeiras formam um espetáculo em qualquer que seja a direção que suas lentes apontem. Eu e o grupo começamos explorando o Salto El Sapo. O roteiro começa com navegação pelas lagoas em tradicionais canoas de madeira e, após curta caminhada pela savana, acessamos a cachoeira para um banho de água gelada. 

O Salto El Sapo, na Lagoa de Canaima, é a primeira atração no circuito que leva ao Salto Angel. Foto: Cesar Khasen

A força da água impressiona e já dá uma amostra das experiências que teria pela frente. Do alto das pedras escorregadias há um lindo panorama da lagoa, da vegetação e dos tepuis que emolduram o cenário durante toda a nossa estadia. Esteja preparado para curtir as cachoeiras com segurança calçando meias. 

O Salto El Sapo não é impressionante apenas pela grandiosidade das suas cachoeiras e pela vista privilegiada. Um convite do guia para literalmente entrar dentro das quedas d’água revela o quão único é esse passeio. Há uma trilha que se esconde atrás da cortina d’água, e seguir caminhando pelo lado de dentro da cachoeira mais parece como adentrar um portal para um mundo paralelo. A sensação é indescritível!

 

Aldeia Sarinpatöy

A hospitalidade está tatuada no DNA dos Pemon Kamarakoto. Foi o que notei durante a estadia na Aldeia Sarinpatöy, que recebeu hóspedes pela primeira vez.

A comunidade indígena Sarinpatöy recebe visitantes que desejam se hospedar bem próximo ao Salto El Sapo. Foto: Cesar Khasen

O turismo sustentável é o que rege a economia da região desde os anos 1980, quando recebiam cerca de 500 viajantes por dia. Desde jovens os indígenas começam a atuar como guias e se especializaram no bom atendimento dos viajantes. Os nativos se dividem em diversas funções para fazer com que os visitantes tenham conforto ao mesmo tempo em que protegem a natureza. 

Um grande pavimento coberto com telhado de folhas de palmeira abrigava redes enfileiradas, mesa para as refeições e até ponto de tomada para carregar os equipamentos eletrônicos. Foi a minha primeira viagem de aventura e de maior contato com a natureza. Estava cética se me sentiria segura e confortável dormindo em redes, porém, tive a melhor noite de sono e uma das experiências mais autênticas desta viagem. 

 

Trekking

A melhor forma de se conectar com Canaima é explorar suas paisagens variadas em longas caminhadas. O guia Antônio Hitcher apresentou uma nova rota a ser desbravada pelos viajantes, um trekking até às 7 quedas de Kurun.

Incrível vista dos Saltos de Kanwada’pa no novo roteiro para aventureiros no Circuito de Tepuis. Foto Cesar Khasen

O caminho é trilhado há muito tempo entre os índios que saem para as caçadas. O trajeto aponta para o lado sudoeste do Kusari Tepuy. A jornada começa com 40 minutos de navegação pelo rio Carrao, onde o grupo se acomodada de dois em dois pela canoa de madeira que vira voadeira graças a um potente motor. 

A rota segue com caminhada pela floresta e o primeiro desafio do passeio é atravessar um rio sobre uma árvore caída que faz as vezes de ponte. Todo o caminho exige cuidado, com um olho na paisagem e outro nos pés. Os obstáculos são muitos, como raízes, pedras soltas, rios com leito escorregadio como sabão, buracos e alguns degraus onde é preciso usar também as mãos para ultrapassar. Passando por florestas, vales, rios e tepuis, foram quatro horas de caminhada até os Saltos de Kanwada’pa

É hora de dar um alívio às pernas já exaustas com uma merecida imersão nas águas geladas das cachoeiras. Também à beira da água é que o grupo almoça e já se prepara para fazer o trajeto da volta. Fico impressionada com a agilidade e versatilidade do staff para preparar as refeições em minutos, logo depois de horas a pé carregando todos os utensílios de cozinha. O macarrão com atum não poderia ser mais saboroso e não poderia existir vista melhor para esta refeição.

Impossível não começar a refletir depois de tantas horas caminhando por cenários tão únicos. Tomada de satisfação e orgulhosa por completar todo o trajeto, me senti mais do que preparada para incluir outras aventuras na natureza nas minhas próximas viagens. E ainda nem tinha visitado o Salto Angel!

 

Poço azul

Mais do que um lugar com difícil acesso, o Parque Nacional Canaima é um dos lugares com a natureza mais preservada do mundo. Caminhar por entre os vales é poder testemunhar formações geológicas originais de bilhares de anos e se sentir num mundo perdido. Essa é a sensação ao chegar ao cume do Kurawaimö Tepuy.

Uma hora de caminhada íngrime para obter a melhor vista dos tepuis Kurun, Kusary e Kurawaimö. Fotos: Lilian Silva

O trekking de duas horas até o ponto mais alto da montanha revela uma visão panorâmica dos tepuyes Kurun e Kusari. O maior erro de principiante nesta jornada entre tepuis é acreditar que será possível caminhar por 5 dias sem molhar os pés e sem escorregar várias vezes.  Também não se pode subestimar a exposição aos raios solares e a presença dos mosquitos. Reaplicar protetor solar e repelente é tão importante quanto se manter hidratado.

No meio da savana o barulho da água anunciava a proximidade com mais uma cascata, o Poço Azul. As caminhadas são sempre intercaladas com bons banhos de cachoeira. Não importa que a água seja geladíssima. As corredeiras garantem a sensação de alma lavada e de recompensa para o corpo cansado após longas trilhas. Neste oásis as pedras planas formam uma espécie de ladrilho, que torna possível andar pelo leito d’água até os paredões para uma ducha revigorante. Faz valer a pena todo o esforço.

No Poço Azul as águas geladíssimas são um convite ao mergulho depois de uma trilha cansativa. Foto: Eliane de Souza

Salto Angel

Cada experiência vivida em Canaima me preparou para o momento mais sublime da viagem: a chegada ao Salto Angel. Logo pela manhã segui com os demais para navegação pelo Rio Carrao. Foram 4 horas subindo o rio contra a correnteza por 75 quilômetros.

A viagem não teve nada de tediosa. Muito pelo contrário. A cada curva do rio a paisagem se revelava ainda mais bonita. E cada pausa era uma boa desculpa para um mergulho nas águas avermelhadas do Carrao.  

A previsão do tempo alertava sobre as chances de subir a maior cascata do mundo embaixo de chuva. O clima, porém, estava propício para esta aventureira de primeira viagem e assim pude contemplar o Salto Angel em toda sua glória. Desde as margens do rio, quando já é possível avistar de longe as corredeiras despencando pelo Auyantepuy, até o mirante são duas horas de uma longa caminhada.

Depois de duas horas e meia de caminhada na floresta, cheguei ao mirante do Salto Angel. Foto: Gabriel Fernandez

Neste ponto a natureza surpreende mais uma vez com suas características únicas. As pedras do rio são tão redondas que parecem que foram cuidadosamente polidas, as árvores se agarram ao chão com raízes tão expostas que formam escadarias rústicas até a pedra que serve de observatório da maior cachoeira do mundo.

Não há como olhar para o cume do Salto Angel sem se impressionar. A queda é tão alta que até chegar ao poço boa parte da água já evaporou. Um mergulho nestas águas é mais do que uma recompensa pela jornada extenuante para o corpo. É um privilégio concedido a quem teve coragem e ousadia para tocar os pés da mais majestosa das cachoeiras. 

 

Onde ficar

O Parque Nacional Canaima conta com acomodações que atendem viajantes de diferentes perfis e com diferentes orçamentos. Eco lodges, pousadas – os chamados campamentos – e até um hostel servem de base para quem deseja desfrutar das belezas das cachoeiras e das montanhas da região. Em comum os hotéis têm a política de oferecer pacotes de três a cinco diárias que já incluem os passeios pela região. 

O Waku Lodge tem localização privilegiada em frente às cascatas da lagoa de Canaima. A linda vista é muito bem aproveitada pelos hóspedes do hotel que relaxam nos jardins, espreguiçadeiras, deck e nos restaurantes com vista panorâmica. Os quartos são confortáveis e bem decorados, o staff é amável e prestativo. No café da manhã, tucanos, Araras e papagaios que moram no hotel dão as boas vindas aos visitantes.

O lodge AraMeru tem piscina com réplica do Salto Angel, onde no topo há ainda uma jacuzzi. Foto: Eliane de Souza

O AraMeru é outro hotel bem recomendado em Canaima. A cascata da fachada, os jardins verdinhos e a piscina em forma de réplica de Salto Angel com uma jacuzzi no topo fazem parte da arquitetura faraônica do eco lodge. 

O complexo conta com restaurante panorâmico, academia, discoteca, mirante e até terraço exclusivo que serve de cenário para comemorações íntimas e jantares românticos. As suítes são enormes e de diferentes configurações. Cada quarto tem decoração exclusiva. A suíte presidencial conta ainda com jardim exclusivo onde fica a hidromassagem.

O Campamento Canaima é outro hotel de luxo que proporciona momentos de contemplação para a lagoa nos terraços, bares e restaurantes do estabelecimento. A cultura indígena não se limita aos artigos de decoração das paredes. O hotel tem forte conexão com a comunidade por meio de oferta de trabalho e oportunidade de aprendizado para os jovens indígenas.

O Campamento Ucaima é indicado para quem busca privacidade e maior contato com a natureza. O hotel já existe há mais de 60 anos e foi fundado pelo holandês Jungle Rudy, um dos primeiros a explorar a selva para abrir caminho por terra até o Salto Angel.

 

Pacote

A operadora de turismo Roraima Adventures, que há 13 anos atua com roteiros de ecoturismo e aventura, oferece diferentes pacotes para o Salto Angel. No pacote completo (4 dias e 3 noites) estão incluídos transfer in;

02 diárias em hotel em Boa Vista (apartamento duplo); transporte terrestre Boa Vista/Santa Elena de Uairén (ida e volta); transporte aéreo Santa Elena de Uairén/Canaima – ida e volta; sobrevoo na Cachoeira Salto Angel; passeios na Lagoa de Canaima e Salto Angel; hospedagem e alimentação (café, almoço e jantar) em Canaima; guia local em Canaima; transfer out.

Não estão inclusos: seguro viagem, passagens aéreas até Boa Vista, alimentação em Boa Vista; alimentação e hospedagem em Santa Elena de Uairén; taxa de embarque em Santa Elena de Uairén que corresponde a R$ 5, aproximadamente; taxa de entrada em Canaima que corresponde a R$ 35 aproximadamente. 

O pacote não inclui seguro viagem, porém, todos os participantes devem ter seu próprio seguro viagem para participar da expedição, com apresentação da apólice via e-mail até cinco dias antes do dia da viagem, pela seguradora que tenham preferência.

Os valores variam de acordo com número de participantes por expedição. Em grupos de cinco pessoas o pacote sai a partir de US$ 1.290 por pessoa. Reservas e consultas de outros pacotes no site www.roraimaadventures.com.br.

Seguro viagem

Como em qualquer viagem para fora da área de cobertura do seu plano médico, é aconselhável contratar seguro de viagem para quando você visitar a Venezuela. A Travel Ace Assistance oferece cobertura para doenças ou acidentes através de profissionais e instituições de 150 países. Inclui internações, traslados sanitários, medicamentos, gastos em hotel por convalescença, entre outros.

Também oferece assistência por perda de bagagem durante voo ou conexão.  A cobertura também inclui indenização complementar por perda permanente e cobre gastos necessários com atraso de bagagem. Caso o segurado se envolva em acidentes de trânsito, a companhia cobre os honorários legais. 

A Travel Ace Assistance também oferece atendimento por meio de aplicativo para facilitar a comunicação dos viajantes. É possível solicitar assistência médica imediata pressionando apenas um botão e falar com operadores pelo bate-papo para resolver qualquer problema durante a viagem.

(O Programa Viaje Por Aí viajou a convite da Roraima Adventures, Gentileza Representações e comitê gestor do Parque Nacional Canaima, com cobertura da Travel Ace Assistance)